PIX-BRAND_edited.png

Mercado, qual o impacto do Pix?
 

Você já viu por aqui que o mercado de pagamentos passou por muitas mudanças na última década. Em 2013, o Banco Central regulamentou os novos arranjos de pagamento que surgiram com a internet e o processo abriu portas para diversas fintechs. Muitas delas focadas em meios de pagamento online.

Com a pandemia do Covid-19, esse movimento se tornou ainda mais visível para boa parte da população. Isso porque o comércio eletrônico cresceu mais de 40% no primeiro semestre de 2020, segundo uma pesquisa divulgada pela BigData Corp. e pelo PayPal. Dessa forma, a população também passou a utilizar formas de pagamento diferentes das tradicionais e as lojas tiveram que se adaptar. 

Enquanto isso, um outro meio de pagamento eletrônico entrou em vigor, o Pix, que deixou muitos empreendedores curiosos. Será que ele vai tomar o lugar dos demais? Neste artigo, você vai ver melhor como funcionam os meios de pagamento online e compreender o impacto do Pix nesse mercado. Leia até o fim e entenda!

Como se comportam os meios de pagamento online?

Os meios de pagamento online são formas digitais de realizar pagamentos através de ferramentas que permitem transações entre clientes e empresas por meio da internet. Esses mecanismos servem como intermediários, de maneira parecida com as máquinas de cartão de crédito nas lojas físicas. Entenda melhor a seguir!

Subadquirentes

As subadquirentes, também chamadas de sub-credenciadoras, são facilitadoras habilitadoras para a realização de transações que conectam o estabelecimento ao adquirente. Normalmente ficam abaixo das adquirentes e potencializam a escala de credenciamento com foco em pequenos negócios.

Atuam na oferta de serviços adicionais, como seguros e análise antifraude. Elas habilitam o processamento de transações do estabelecimento, sem a necessidade de filiação a um banco ou adquirente para receber.

Assim, pequenos negócios podem oferecer pagamento com cartão de crédito com segurança, já que contam com os sistemas antifraude da sub-credenciadora. Alguns exemplos de empresas que atuam dessa forma são PagSeguro, PayPal e Mercado Pago.

Gateways

Já os gateways são habilitadores para o funcionamento de meios de pagamento online que substituem, de certa forma, as máquinas de cartão de crédito. Ainda precisam de comunicação com uma adquirente, mas funcionam como uma ponte entre essas empresas e são mais utilizados por grandes redes de comércio eletrônico, por terem um funcionamento mais robusto. 

Além disso, os gateways não cobram por percentual das vendas, mas por número de transações, o que impacta nas taxas que são pagas pelo estabelecimento comercial. Alguns exemplos de gateways são a iugu, Vindi e Pagar.me. 

Meios de pagamento tradicionais

Também existem empresas digitais que ainda utilizam meios tradicionais para pagamento, como emissão direta de boletos ou transferências bancárias por TED ou DOC. Esses formatos de transação estão entre os mais comuns e conhecidos pelos brasileiros, e também podem ser considerados digitais a partir do momento em que o usuário realiza as transações via aplicativo ou internet banking.

Porém, podem demorar para cair na conta do vendedor e envolvem compartilhar vários dados da empresa, o que torna o processo pouco prático. 

Qual o impacto do Pix nos meios de pagamento online?

Mas então, como o Pix vai impactar esses meios de pagamento online? No caso dos pagamentos em cartão de crédito, a operação não será modificada e gateways e subadquirentes vão seguir atuando. Até porque elas trabalham também na prevenção de fraudes e na segurança das transações. 

Mas para transações com cartão de débito, boleto ou transferência, o Pix deve fazer bastante diferença. Afinal, ele reduz a necessidade de intermediários, como subadquirentes, gateways, adquirentes e bandeiras. Sem falar nas taxas que os compradores tinham que pagar para fazer uma TED ou DOC e que não existem para pessoas físicas no Pix. Tudo isso torna as transações mais rápidas, econômicas e práticas.

Se antes um cliente precisava esperar até três dias para ter um boleto compensado, agora seu pagamento cai na hora com o Pix, agilizando a liberação da mercadoria para o envio.

Para os estabelecimentos comerciais o Pix também é mais prático, já que o dinheiro cai na conta no mesmo momento. Isso agiliza entregas e melhora o fluxo de caixa. Da mesma forma, as taxas pagas pelos empresários do e-commerce também tendem a ser reduzidas, por conta da quantidade menor de intermediários. Assim, os pagamentos digitais ficam muito mais rentáveis para todos os envolvidos. 

2504957_edited.png